Bouzid Izerrougene, pós-doutor em economia (Paris) e conselheiro editorial de revistas

Redação Caro Gestor | 15/03/2011
Bouzid Izerrougene, pós-doutor em economia (Paris) e conselheiro editorial de revistas
?As atividades locais estão cada vez mais influenciadas pelos contextos regional, nacional e mundial?

Doutorado e pós-doutorado em Paris, Bouzid Izerrougene é um nome mundialmente citado quando o assunto é economia e comércio. Membro do conselho editorial das revistas Análise & Dados, Revista de Economia do Nordeste e Nexos Econômicos, é também membro das comissões científicas do Encontro da Anpec e da Economia Baiana. Hoje, atua como professor associado da Universidade Federal da Bahia e publica periodicamente estudos sobre os caminhos possíveis para uma economia saudável em cidades e municípios. 
 
Como o desenvolvimento local sustentável se conjuga com o contexto de globalização? 
Globalização e desenvolvimento local são dois pólos de um mesmo processo complexo e contraditório, exercendo forças de integração e desagregação, dentro do intenso jogo competitivo mundial. Ao mesmo tempo em que a economia se globaliza, integrando a economia mundial, surgem novas e crescentes iniciativas no nível local, com ou sem integração na dinâmica internacional, que viabilizam novos cortes territoriais e novos processos diferenciados de  desenvolvimento espacial. Apesar de constituir um movimento de forte conteúdo interno, o desenvolvimento local se insere necessariamente em uma realidade mais ampla e complexa, com a qual interage e da qual recebe pressões, orientações, benefícios e prejuízos. As atividades locais estão cada vez mais influenciadas pelos contextos regional, nacional e mundial que geram e redefinem oportunidades e ameaças exigindo competitividade e especialização. 

Como uma administração local pode promover desenvolvimento inserindo-se numa economia global? 
As comunidades podem utilizar suas características específicas e suas qualidades superiores e desenvolver atividades nos campos em que têm uma vantagem competitiva com relação a outras regiões. A vantagem competitiva é a possibilidade de uma performance econômica acima da média do mercado. É algo que não se adquire apenas contando com recursos materiais, mas também via competências organizacionais e estratégicas, o que ressalta a importância da qualificação do gestor público. A ideia é combinar a dotação em recursos e o esforço na criação do conhecimento e da aprendizagem. Concretamente, capacidades e potencialidades específicas a serem exploradas podem ser alguma competência artesanal, um atrativo turístico, uma fruta, um saber secular, uma fibra vegetal ou qualquer recurso natural ou conhecimento nativo diferenciado. A incorporação do conhecimento e do aprendizado consiste essencialmente a agregar valor no processo de transformação. Agregar valor é, por exemplo, transformar cana em aguardente ou combustível, óleo em cosméticos, sisal em telas etc. Consiste também em saber colocar o produto no mercado e comercializá-lo, é claro. Isso tudo requer do gestor público capacidades de planejamento, de liderança e visão perspicaz e empreendedora. 

O que garante o sucesso do desenvolvimento municipal? 
Não há receita, mas certamente o êxito de desenvolvimento local necessita de um ambiente político e social favorável, que permite a mobilização e, principalmente, a convergência dos atores sociais do município em torno de determinadas prioridades e orientações básicas de desenvolvimento. Ele é o resultado de uma vontade conjunta da sociedade que dá sustentação e viabilidade política a iniciativas e ações capazes de organizar a sociedade, viabilizar sinergias e promover o bem-estar do cidadão, que não é apenas eleitor. 
Deixe seu comentário » 2 Comentários:

Elias, em 22/04/2012:

grande bouzid,carinhosamente,chamado por nos alunos de bobó. Orgulho de ser aluno.

Elias, em 22/04/2012:

grande bouzid,carinhosamente,chamado por nos alunos de bobó. Orgulho de ser aluno.