Quatro municípios baianos comemoram 60 anos

 Nesta quarta-feira, dia 12 de dezembro, os municípios de Coaraci, Iguaí, Itajuípe e Uruçuca comemoram suas emancipações políticas. Até o ano de 1919, o território de Coaraci era encoberto por matas inexploradas. A povoação teve início com a construção de uma casa de taipa, servindo de residência e ponto de comércio. Algum tempo depois, chegou à região trabalhadores que se lançaram a exploração das terras ainda virgens, criando às margens do Rio Almada, uma vasta plantação de cacaueiros, formando tempo depois uma fazenda, denominada Berimbau. O povoado foi inicialmente denominado de Macacos. Depois o seu nome foi modificado para Itacaré do Almada. Em 1933 foi criado o distrito de Paz e Sub-Delegacia de Policia, pertencendo ao município de Ilhéus. Em 1938 o distrito foi elevado a categoria de Vila, ainda com o nome de Itacaré, depois Guaracy, sendo mais tarde a sua denominação modificada para Coaraci. Quatorze anos depois a Vila Coaraci foi elevada a categoria de cidade.

Outra aniversariante, a cidade de Iguaí, está localizada na região sudoeste. Iguaí possui uma grande quantidade de cachoeiras e rios. Daí seu nome significar “fonte de beber água”. Roteiros das cachoeiras são os que mais atraem os turistas. Nascentes, cachoeiras, cascatas, rios e riachos, além da beleza dos vales e serras. Esse é o cenário da APA (Área de Proteção Ambiental) Serra do Ouro. Ela possui uma área de 50 mil hectares – dela fazem parte ainda a serra do Macário e a serra dos Índios – e abriga importantes remanescentes do bioma Mata Atlântica. Com seu território localizado totalmente nos limites da Mata Atlântica, o município conta ainda com 16% de reservas florestais remanescentes. A natureza contemplou o território de Iguaí com uma rica fauna e flora além de 2000 nascentes catalogadas. Por entre serras, penhascos e vales, estas nascentes compõem um grande manancial de água doce, com mais de 180 cachoeiras, cascatas e rios que deságuam no Rio Gongogi.
 
Também no mesmo dia Itajuípe comemora seus 60 anos. Terra do escritor Adonias Filho, Itajuípe tem sua história marcada por inúmeras lutas. A busca pela emancipação começou em 1934, com a realização de atos em defesa da separação do distrito de Pirangi, que pertencia a Ilhéus. Foram 18 anos de batalhas, pressões econômicas e políticas. Até que, em 1952, estourou o movimento emancipacionista. E, em 12 de dezembro daquele ano, o governador Régis Pacheco determinou o reconhecimento do distrito como município. Grupos folclóricos de bumba meu boi, ternos de reis e mulinha encantam a população entre o natal e o dia 06 de janeiro, por ocasião do nascimento de cristo e a representação dos reis magos. O São João é uma das mais tradicionais festas da cidade. O local possui vários monumentos, em sua maioria religiosos, no alto do morro há uma grande estátua do Cristo redentor, na entrada da cidade há uma imagem de São Cristovão, na saída da cidade há uma estátua representando a Santíssima Trindade e logo mais a frente pode-se observar uma grande porta feita de concreto, a Porta Santa.
 
Para encerrar os aniversariantes do dia temos Uruçuca. Do antigo povoado criado em 1906, denominado de Água-Preta do Mucambo, por serem escuras as águas que banhavam a localidade, surgiu o município de Uruçuca, cujas praias, cachoeiras e fazendas se constituem em fortes atrativos para a prática de ecoturismo. O nome Uruçuca vem de urucu – grosso, gordo, abelha grande e côa – mato, erva, Mato da Abelha Grande ou do tupi – águas escuras. Nesse município ficam a Área de Proteção Ambiental Itacaré/Serra Grande e o Parque Estadual da Serra do Conduru Conservação. Entre os inúmeros atrativos estão a Fazenda São Tomé com banho de mar e, também em uma pequena lagoa existente no local. Tomar banho na Cachoeira do Zé Maria e Poço do Robalo. Conhecer e passear pela tranquila Vila de Serra Grande, banhar-se na represa, a que se atribui propriedades afrodisíacas. Apreciar e adquirir artesanato local. Entre seus filhos ilustres estão poeta e cronista Jorge Medauar e o comentarista esportivo e radialista Armando Oliveira.
 

Comentários

    Não há comentário

Comentar