Dois municípios festejam emancipação

 Os municípios de Itaberaba e Santa Rita de Cássia comemoram nesta terça-feira, dia 26 de março suas emancipações políticas. As terras que hoje integram o município de Itaberaba (vocábulo tupi que significa “pedra reluzente”), já eram habitadas pelos índios Maracás, da raça dos Tapuias. Os desbravadores disputavam a posse das terras na crença de ouro na serra de Orobó (bom ouro). O município surgiu na Fazenda São Simão. Mais tarde foi edificada uma casa de oração consagrada a Nossa Senhora do Rosário. Em torno da capela formou-se um núcleo de moradores, para, em 1817, ficar conhecido por Rosário do Orobó. O povoado cresceu em razão daquela devoção e recebeu honras de freguesia de Nossa Senhora do Rosário do Orobó, em 1843. Finalmente em 1897 a Vila do Orobó é elevada a categoria de cidade com o nome de Itaberaba. O município, situado na Chapada Diamantina, é o maior produtor de abacaxi do Estado da Bahia. O fruto é da variedade pérola, indicado para o consumo de mesa, com baixa acidez e alto teor de frutose (açúcar das frutas).

Santa Rita de Cássia comemora seus 173 anos. O município é cortado no sentido oeste-leste pelo rio Preto, sub-afluente do rio São Francisco. Sua história remonta às primeiras décadas do século XVII. Colonos foram se apossando das terras da margem esquerda do rio São Francisco, estabelecendo núcleos de criação de gado, engenhos de cana-de-açúcar e agricultura em geral. Em meados do ano de 1600, os colonos chegaram ao rio Grande através de sua confluência com o rio São Francisco. Combates constantes se seguiram, mas os colonos continuaram avançando, estabelecendo-se pouco a pouco na região, que na época era conhecida como Sertão de Rodelas. Navegando pelos rios Preto e Grande, eles iam penetrando cada vez mais nos vales, chegando até a lagoa de Parnaguá, no atual estado do Piauí. Ao longo do caminho, no rastro que esses sertanistas deixavam atrás de si após sua passagem, foram surgindo arraiais e vilarejos, dentre eles o Arraial de Santa Rita do Rio Preto.

Comentários

    Não há comentário

Comentar