Incêndios destruíram quase 8 mil hectares na Chapada

Caro Gestor | 03/12/2015
Incêndios destruíram quase 8 mil hectares na Chapada

O Parque Nacional da Chapada Diamantina teve 7.909 hectares destruídos por conta dos incêndios que atingiram a Chapada Diamantina em Novembro. A extensão equivale a 5,20% da área total do parque. 

 
A estimativa foi realizada a partir da análise de imagens de dois satélites, além de reconhecimentos aéreos e terrestres. Os satélites utilizados- chamados de Aqua e Terra- possuem sensores termais que identificam a temperatura de áreaa tamanho mínimo de 250m x 250m. 
 
Principais Focos
Segundo o chefe interino do Parque Nacional da Chapada Diamantina, César Gonçalves, o incêndio é classificado como de grandes proporções, mas o grau de impacto vai depender do tipo de ambiente atingido.
 
"Alguns ambientes tem capacidade de voltar à condição anterior, são resilientes. Ambientes mais arboreos, de floresta, tem mais diciculdades", disse Gonçalves. "Algumas áreas vao precisar de 2, 3 anos para se recuperar. Outras podem precisar de décadas ou podem, até mesmo, nunca se recuperar", explicou ele.
 
Segundo o secretário estadual do Meio Ambiente, Eugênio Spengler, o incêndio na região do Morro Branco, município de Lençóis, teve o combate dificultado porque o terreno é alto,  formado por muitos cânions e com fendas profundas nas próprias rochas. Ainda de acordo com Spengler, havia casos em que os jatos de água sequer atingiram essas fendas, onde estavam localizados alguns focos de fogo.
 
O incêndio na região de Barro Branco também foi intenso e localizado em uma área de difícil acesso. A situação da Área de Proteção Ambiental (APA) Marimbus – Iraquara, localizada em Lençóis, no Campo São João, e que fica dentro do Parque Nacional da Chapada, foi outra área preocupante. Todas essas áreas tem poder de regenaração menor, por causa da sua constituição.  
 
A maior dificuldade diz respeito ao fogo ter se ampliado rápido. Não tivemos condição de fazer o trabalho de extinção de fogo como o protocolo exige", informou o chefe interino. Antes de eliminar totalmente um foco, era necessário partir para outro. Nesse processo, o anterior podia voltar a se propagar novamente.
 
Os incêndios no Parque Nacional tiveram início no final de outubro, no Morro Branco. Atrás da mesma região, ainda existe fumaça. De acordo com Gonçalves, chover no local seria fundamental para sua extinção. 
Tags relacionadas: chapada, incêndio, bahia
Deixe seu comentário » 0 Comentários: