OMS declara fim de emergência global por vírus da zika

Correio da Bahia | 22/11/2016
OMS declara fim de emergência global por vírus da zika

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou há pouco o fim da emergência global por conta do vírus da zika, pegando de surpresa pesquisadores e gerando duras críticas por parte de cientistas. A entidade alerta que, a partir de agora, a doença será crônica no Brasil e que governos terão de tomar medidas de longo prazo. Nesta sexta-feira, o governo brasileiro anunciou que a emergência nacional seria mantida.

A OMS garante que um departamento dentro da instituição passará a buscar soluções para enfrentar o vírus e que “não está rebaixando” a doença. No entanto, especialistas da própria entidade temem que o fim da emergência significará sérios desafios para que cientistas possam obter recursos para manter as pesquisas e a produção de uma vacina. A decisão foi tomada depois de uma reunião realizada hoje em Genebra entre os principais especialistas sobre o assunto, além dos governos de Brasil, EUA, Tailândia e de regiões africanas, europeias e asiáticas. A OMS considerou que, como estava provada a relação entre o vírus e a microcefalia, ela precisava agora de um “mecanismo robusto de longo prazo para administrar a resposta global”.
 
Para a entidade, o zika “continua sendo um desafio significativo e duradouro de saúde pública e que exige ação intensa, mas não é mais uma emergência”. Por isso, a entidade decidiu “escalar” a doença a um “programa permanente”. A decisão foi alvo de duras críticas por parte dos cientistas que buscam uma solução para a doença. “Será que veremos uma nova onda de casos no Brasil e Colômbia?” questionou Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Contagiosas. Sua entidade é uma das que tenta arrecadar recursos para bancar uma vacina. Para ele, o fim da emergência é “prematuro”, principalmente por que o verão no Brasil está prestes a começar. “Por que não esperaram alguns meses?”, criticou.
 
A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou há pouco o fim da emergência global por conta do vírus da zika, pegando de surpresa pesquisadores e gerando duras críticas por parte de cientistas. A entidade alerta que, a partir de agora, a doença será crônica no Brasil e que governos terão de tomar medidas de longo prazo. Nesta sexta-feira, o governo brasileiro anunciou que a emergência nacional seria mantida.
 
A OMS garante que um departamento dentro da instituição passará a buscar soluções para enfrentar o vírus e que “não está rebaixando” a doença. No entanto, especialistas da própria entidade temem que o fim da emergência significará sérios desafios para que cientistas possam obter recursos para manter as pesquisas e a produção de uma vacina. A decisão foi tomada depois de uma reunião realizada hoje em Genebra entre os principais especialistas sobre o assunto, além dos governos de Brasil, EUA, Tailândia e de regiões africanas, europeias e asiáticas. A OMS considerou que, como estava provada a relação entre o vírus e a microcefalia, ela precisava agora de um “mecanismo robusto de longo prazo para administrar a resposta global”.
 
Para a entidade, o zika “continua sendo um desafio significativo e duradouro de saúde pública e que exige ação intensa, mas não é mais uma emergência”. Por isso, a entidade decidiu “escalar” a doença a um “programa permanente”. A decisão foi alvo de duras críticas por parte dos cientistas que buscam uma solução para a doença. “Será que veremos uma nova onda de casos no Brasil e Colômbia?” questionou Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Contagiosas. Sua entidade é uma das que tenta arrecadar recursos para bancar uma vacina. Para ele, o fim da emergência é “prematuro”, principalmente por que o verão no Brasil está prestes a começar. “Por que não esperaram alguns meses?”, criticou.
Tags relacionadas: zika, Brasil, saúde
Deixe seu comentário » 0 Comentários: