Gigante chinesa entra em acordo e assumirá fábrica fechada da Ford

A BYD, maior fabricante de carros elétricos do mundo, entrou em acordo com a marca norte-americana e assumirá o Polo Automotivo de Camaçari (BA), com anúncio oficial programado para o próximo mês pela presidência da empresa multinacional.

Na próxima semana, a comitiva chinesa chegará ao Brasil para estudar o modelo de negócio, confirmar o número de produtos, a fábrica de automóveis, ônibus e caminhões e beneficiamento de lítio e por fim, analisar o início da produção para 2024.

De acordo com o site UOL, a gigante chinesa lançará a pedra fundamental da nova fábrica em pouco mais de 30 dias. O comunicado seria feito ainda na metade deste mês – aguardando apenas acordos finais e agendas políticas.

De largada, o planejamento industrial terá como objetivo 30 mil veículos, podendo chegar à capacidade produtiva de 150 mil unidades ano. A BYD Auto Brasil fabricará para o mercado interno, além de focar na exportação dos produtos. SUVs, picape (em uma segunda fase) e um médio compacto estão nos planos dos chineses para híbridos e elétricos.

O Song 1.5 de dois motores (elétrico 179 cv e a combustão 110 cv) deverá ser o carro de largada, com média 38,4 Km/l na cidade e 28,1 Km/l na estrada, sendo o modelo de porte médio mais econômico do país. A BYD explorará a corrente híbrida no país e dará a mesma importância da pegada elétrica.

Ainda segundo a publicação, a BYD investirá cerca de R$ 3 bilhões na instalação de três fábricas na Bahia, gerando cerca de 1.200 empregos diretos (número a ser confirmado) durante o período de implantação. O dado é do protocolo de intenção já assinado.

As unidades produzirão chassis de ônibus e caminhões elétricos, veículos de passeio elétricos e híbridos, além de processar lítio e ferro fosfato – de acordo com o protocolo de intenções assinado entre a BYD do Brasil, subsidiária da empresa chinesa no país, e o Estado da Bahia.

De acordo com o primeiro cronograma, todas as unidades começam a ser implantadas no próximo semestre. Duas delas devem estar concluídas em setembro de 2024, com início de operação em outubro. A terceira tem conclusão prevista para dezembro do mesmo ano, com início de operação em janeiro de 2025 – dado que precisa de validação do time chinês.

Desde o começo da comercialização de seus veículos por aqui, em novembro de 2021, a BYD demonstrava que não seria mais uma marca estrangeira com um representante no país, para vender meia-dúzia de automóveis importados.

A maior fabricante de carros elétricos no mundo tem planos ousados e começou a dar os primeiros passos. As revendas têm sido inauguradas nas capitais em praticamente todos os estados e vários modelos elétricos e híbridos começam a chegar. É a hora de preparar o terreno para a próxima etapa.

A estratégia foi diferente da anunciada pela GWM, que comprou a planta da Mercedes-Benz em Iracemápolis (SP) antes de lançar seu primeiro produto, o Haval H6. A BYD foi primeiro ao mercado com o Tan, Han, Song, Yuan, D1 e espera pelo compacto Dolphin como próximo veículo local – carro que será vendido abaixo dos R$ 200 mil.

Etapas

A implantação de uma indústria química para processamento de lítio e ferro fosfato constitui, de acordo com o protocolo, a primeira fase do empreendimento. Esta unidade utilizará como insumos o lítio extraído no Brasil e a produção desta planta será exportada para a China.

Em paralelo com a indústria química será implantada a fábrica de chassis para produção de ônibus e caminhões elétricos, sendo que a produção dos primeiros será para abastecer o mercado das regiões Norte e Nordeste do Brasil.

A produção de veículos de passeio elétricos e híbridos compreende a terceira fase do acordo. O protocolo prevê ainda que a BYD também analisará a viabilidade da importação de veículos usando o porto de Salvador.

Incentivos

A contribuição do Estado da Bahia para viabilização do empreendimento inclui a concessão de incentivos fiscais até 31 de dezembro de 2032, de acordo com a legislação tributária estadual.

Os benefícios baseiam-se na Lei nº 7.537/99 que institui o Programa Especial de Incentivo ao Setor Automotivo da Bahia (Proauto), e na Lei nº 7.980/2001 e Decreto n.º 8.205/2002, estaduais, que institui o Programa de Desenvolvimento Industrial e de Integração Econômica (Desenvolve).

Compromissos da BYD

Entre as contrapartidas assumidas pela BYD está a elaboração de um plano de negócios detalhado, que deverá ser aprovado pelo Estado. A empresa promoverá o treinamento e a capacitação de mão de obra especializada, prioritariamente local, a ser aproveitada no processo fabril. Deverá ainda, a cada seis meses após a assinatura do protocolo e até a entrada em operação das unidades industriais, informar à Secretaria de Desenvolvimento Econômico sobre o estágio do empreendimento e a previsão de implantação.

A BYD também deverá priorizar a contratação de empresas estabelecidas na Bahia para a realização das obras civis, contratação dos serviços e aquisição dos insumos necessários à implantação e operação do empreendimento, priorizando fornecedores locais e obrigando-se a disponibilizar a lista completa dos serviços a contratar e dos insumos a adquirir, o que contribuirá para o adensamento da cadeia produtiva dentro do Estado.

Outra contrapartida estabelecida é a adesão ao Projeto Estadual de Incentivo à Primeira Experiência Profissional – Estágio, Aprendizagem e Ocupação Formal (Projeto Primeiro Emprego).

* UOL

LEIA TAMBÉM

Deixe um Comentário