Índice de Consumo das Famílias no Brasil cresce 2,1% em agosto

Por Alana Gandra – Bahia.Ba O indicador Intenção de Consumo das Famílias (ICF), divulgado nesta segunda-feira (23) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), registrou alta pelo terceiro mês consecutivo, crescendo 2,1% em agosto e totalizando 70,2 pontos. O resultado é o melhor desde abril deste ano (70,7 pontos) e superior em 6,1% ao registrado no mesmo mês de 2020 (66,2 pontos). A economista Catarina Carneiro da Silva, responsável pelo ICF, destacou, no entanto, que o índice se mantém abaixo do nível de satisfação (100 pontos)…

LEIA MAIS

EUA: polícia cerca homem com possíveis explosivos perto do Capitólio

Agentes da lei cercaram um homem com possíveis explosivos sentado em um veículo perto do Capitólio dos Estados Unidos nesta quinta-feira (19), enquanto edifícios próximos eram esvaziados e veículos de emergência corriam ao local. “Esta é uma investigação de ameaça de bomba ativa”, informou a polícia do Capitólio (USCP) no Twitter.

O homem estava em um veículo diante da Biblioteca do Congresso, que em frente o Capitólio, disse uma fonte das forças da lei. Segundo esta fonte, a presença de explosivos não havia sido confirmada.

Entretanto, no Congresso, pessoas foram notificadas de que o ocupante do veículo disse que tinha uma bomba e que as autoridades estavam delineando suas reações com a ameaça em mente, disse um funcionário à Reuters.

Vários prédios próximos foram esvaziados, inclusive a Suprema Corte. Pessoas do prédio de escritórios de Madison foram instruídas a se proteger no próprio local de trabalho. Uma estação de metrô próxima foi fechada.

A polícia interditou ruas que cercam o complexo do Capitólio enquanto caminhões dos bombeiros e de resgate seguiam para a área. O Escritório de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos disse estar enviando um técnico de bombas para auxiliar a polícia, e o FBI, a agência federal de investigação dos Estados Unidos, também foi acionado.

A área normalmente movimentada da Colina do Capitólio estava relativamente deserta, e a Câmara dos Deputados e o Senado não estavam em sessão.

“A USCP está reagindo a um veículo suspeito perto da Biblioteca do Congresso”, disse a corporação no Twitter. “Mantenham distância desta área.”

LEIA MAIS

Zeca Pagodinho vence a Covid-19 e recebe alta hospitalar

O cantor Zeca Pagodinho recebeu alta nesta quinta-feira, 19. O artista estava internado com Covid-19 no hospital Casa de Saúde São José, na zona Sul do Rio de Janeiro, desde sábado, 14. “O estado de saúde do paciente é bom e ele foi liberado pela equipe médica”, informou o hospital em nota. O sambista também postou um vídeo nas redes sociais ao lado dos profissionais de saúde e segurando uma placa escrito: “Eu venci a Covid-19”. “Estou indo embora, vou terminar o tratamento em casa. Levei [nota] 10 no pulmão,…

LEIA MAIS

Patricia Abravanel fala do estado de saúde de Silvio Santos e explica ‘fuga’ do hospital

A apresentadora Patricia Abravanel deu detalhes do estado de saúde do seu pai, o apresentador Silvio Santos, no programa “Vem Pra Cá” desta quinta-feira, 19. O comunicador testou positivo para a Covid-19 na última quarta-feira, 11, e se recusou a ficar internado no Hospital Israelita Albert Einstein. No dia em que o SBT completa 40 anos, Patricia decidiu contar em detalhes de tudo o que aconteceu e afirmou que seu pai está bem. “Ontem [quarta-feira, 18] tivemos a grande notícia de que todos os exames dele estão melhorando, é como…

LEIA MAIS

André Marques e Tatá Werneck falam de suposto grupo criticando Marcos Mion na Globo

Os apresentadores André Marques e Tatá Werneck se manifestaram nas redes sociais após ser divulgado que alguns veteranos da Globo estariam trocando mensagens em um grupo criticando a animação de Marcos Mion por sua contratação e a “supervalorização” da emissora, que já colocou o novo funcionário para participar de atrações como “Encontro” e “Fantástico”. Segundo o colunista Alessandro Lo-Bianco, do programa “A Tarde é Sua”, as mensagens sobre Mion chegaram à cúpula da Globo, que, por sua vez, teria mandado um e-mail pedindo “compreensão e espírito de equipe” aos funcionários.…

LEIA MAIS

Globo se pronuncia sobre suposto atrito com Letícia Sabatella nos bastidores de novela

A Globo se pronunciou nesta quarta-feira, 18, após ser divulgado que a atriz Letícia Sabatella estaria causando desconforto à produção da novela “Nos Tempos do Imperador”. Segundo divulgado pela colunista Fábia Oliveira, do jornal O Dia, a artista muitas vezes se recusa a ficar na fila para fazer o teste de Covid-19 realizado antes das gravações e vai direto ao camarim. Como a testagem faz parte dos protocolos de segurança adotados pela emissora, a produção da novela precisa ficar atrás de Letícia. Ainda de acordo com a colunista, a fila…

LEIA MAIS

Agência Brasil explica: talibãs retomam poder no Afeganistão

Depois de 20 anos de ocupação no Afeganistão, os Estados Unidos estão deixando o país. Mas antes mesmo da operação de retirada ser concluída, os talibãs já assumiram o controle da capital, Cabul. A velocidade dos acontecimentos provocou uma avalanche de informações no noticiário internacional. Mas por que os Estados Unidos decidiram colocar fim à incursão militar? E quem são os talibãs? Por que parte da população busca deixar o país conforme revelam as imagens que rodaram o mundo, mostrando um aeroporto caótico?

O Talibã se tornou conhecido como um grupo religioso fundamentalista na primeira metade da década de 1990 e foi organizado por rebeldes que haviam recebido apoio dos Estados Unidos e do Paquistão para combater a presença soviética no Afeganistão, que durou de 1979 a 1989, em meio à Guerra Fria. A chegada ao poder se consolida em 1996, com a tomada de Cabul.

Uma vez no controle do governo, o Talibã promoveu execuções de adversários e aplicou sua interpretação da Sharia, a lei islâmica. Um violento sistema judicial foi implantado: pessoas acusadas de adultério podiam ser condenadas à morte e suspeitos de roubo sofriam punições físicas e até mesmo mutilações. O uso de barba se tornou obrigatório para os homens e as mulheres não poderiam ser vistas publicamente desacompanhadas dos maridos. Além disso, elas precisavam vestir a burca, cobrindo todo o corpo. Televisão, música e cinema foram proibidos e as meninas não podiam frequentar a escola.

Ataque às torres gêmeas

A ocupação dos EUA foi uma reação aos ataques às duas torres gêmeas do World Trade Center, arranha-céus situados em Nova York. Dois aviões atingiram os edifícios em 11 de setembro de 2001, levando-os ao chão e causando quase 3 mil mortes. Os EUA acusaram o Talibã de dar abrigo ao grupo terrorista Al Qaeda, que assumiu a autoria do atentado. Em outubro de 2001, tiveram início as operações militares no Afeganistão. As ruas de Cabul foram tomadas em dois meses. Em 2004, eleições foram realizadas no país e, em 2011, as forças norte-americanas anunciaram a morte de Osama Bin Laden, líder da Al Qaeda.

Volta dos talibãs

A volta ao poder dos talibãs foi consolidada no domingo (15): o presidente afegão Ashraf Ghani deixou o país e o controle do palácio presidencial foi assumido pelos rebeldes. Tudo ocorreu sem que houvesse resistências.

Diante do cenário, os EUA precisaram acelerar a conclusão do processo de saída do país, em curso desde o ano passado: uma megaoperação para tirar às pressas diplomatas e cidadãos norte-americanos foi montada pelas tropas norte-americanas, que ainda controlam o aeroporto. No entanto, imagens que ganharam repercussão internacional mostraram um caos no local, com milhares de civis desesperados para deixar o país se aglomerando junto aos aviões.

De acordo com Fernando Luz Brancoli, pesquisador e professor do Instituto de Relações Internacionais e Defesa da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), durante os 20 anos de ocupação, ocorreu uma ampliação das liberdades civis e alguns setores econômicos se desenvolveram, mas o período também foi marcado por diversas denúncias de corrupção. “Houve grupos políticos que se beneficiaram desse momento, que ganharam prestígio, ganharam dinheiro. Em uma escala menor, tivemos mulheres entrando no mercado de trabalho, ocupando algumas funções governamentais, frequentando as escolas. Mas fica no ar até que ponto essas transformações serão mantidas”, disse.

Nos primeiros discursos, os talibãs têm buscado se apresentar mais moderados. Nessa terça-feira (17), um canal de televisão estatal do Afeganistão levou ao ar o pronunciamento de um porta-voz do grupo. Enamullah Samangani garantiu uma anistia geral para todos e disse que a população deveria regressar à normalidade com confiança. Zabihullah Mujahid, um outro representante do grupo, concedeu uma coletiva à imprensa onde reafirmou que não haverá vingança com quem trabalhou para o antigo governo ou para forças estrangeiras. Ele também disse que as mulheres poderão trabalhar e devem participar da estrutura de governo.

Apesar dos acenos, pesquisadores manifestam ceticismo com uma moderação. “Fico parcialmente desconfiado. A forma de governar do Talibã está muito pautada em práticas de violência e controle. Então, considerando seu histórico, até que ponto eles conseguem pensar a organização do país de outra maneira? Vamos ter que esperar pra ver, mas acho que essa moderação é meramente discursiva”, diz Brancoli.

O cientista político João Paulo Nicolini Gabriel, pesquisador da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), chama a atenção para o uso das redes sociais pelo Talibã, onde divulgam indícios de corrupção. “O que eles querem mostrar nesse primeiro momento é que o governo de Ghani não representava a população”.

O comportamento da população retrata o receio popular. As vias públicas estão mais vazias e parte do comércio mantém as portas fechadas. A vida das mulheres já sofre alguns impactos: muitas estão com medo de sair de suas casas. Em público, homens e mulheres voltaram a usar vestimentas afegãs tradicionais. Não se sabe se centros de estética em Cabul voltarão a funcionar. Cartazes publicitários com mulheres estão sendo apagados das ruas, como mostra uma imagem que se tornou viral nas redes sociais.

Insurgentes, Kabul, Muro , apagam foto de mulheres
Insurgentes, Kabul, Muro , apagam foto de mulheres

Insurgentes apagam foto de mulheres em Cabul – Reuters/KYODO/Direitos Reservados

Mas apesar das imagens com milhares de pessoas reunidas no aeroporto em busca de uma oportunidade de sair do país, Brancoli avalia que a população não possui uma visão homogênea e não há uma repulsa generalizada contra os talibãs. Segundo ele, os moradores das áreas rurais são indiferentes ou apoiam o Talibã e a elite urbana não é tão numerosa.

“Tem que lembrar que o Afeganistão é um país majoritariamente rural. E nas áreas rurais, a população olhava para o governo central de forma muito desconfiada. Muitos consideravam um governo corrupto que não atendia aos seus interesses. Uma das explicações para o avanço tão rápido do Talibã seria, em parte, esse apoio da população local. Não houve grandes resistências nas partes periféricas. E quando chegou em Cabul, onde se esperava uma resistência um pouco maior, o próprio exército parecia que já tinha desistido de lutar e não tinha interesse no conflito. O presidente fugiu”, pontua.

O governo de Ghani, apoiado pelos Estados Unidos, nunca teve 100% de domínio sobre o território do país e os talibãs sempre controlaram algumas áreas. De acordo com João Paulo, o cenário atual revela a incapacidade da política norte-americana de alcançar certos objetivos, o que fez com que a ocupação tenha se arrastado por mais tempo do que se esperava. “Reformularam até o sistema eleitoral do país e não conseguiram garantir uma estabilidade. Ghani tinha dificuldades de manter popularidade. E justamente por isso havia tantos soldados norte-americanos lá”.

Processo de saída

Segundo João Paulo, o processo de retirada das tropas foi influenciado em alguma medida pela opinião pública nos Estados Unidos. “Os gastos militares começaram a ser mais criticados depois da crise econômica de 2008. Há um longo debate, inclusive na academia, sobre a necessidade da intervenção no Afeganistão, o que também pressionava por um plano de evacuação”.

A retirada gradual das tropas norte-americanas foi pactuada no ano passado em um acordo bilateral firmado entre o então presidente Donald Trump e o Talibã. O processo deveria ser concluído até maio desse ano. O grupo afegão se comprometeu a não dar abrigo a terroristas da Al Qaeda e do Estado Islâmico.

Eleito, o presidente Joe Biden assumiu a sucessão de Trump e manteve o processo em andamento, mas alterou o prazo: prometeu encerrar a ocupação até setembro e posteriormente antecipou para agosto. À medida que as forças dos EUA deixavam o país, ocorreu um rápido avanço das forças talibãs sobre as mais diversas cidades.

A velocidade com que os talibãs retomaram o poder gera repercussões políticas nos EUA com grupos de oposição criticando a condução da saída do Afeganistão pelo governo de Joe Biden. No domingo (15), em um pronunciamento público, o secretário de Estado, Antony Blinken, recusou comparações com o fim da Guerra do Vietnã em 1975, quando rodaram o mundo cenas da cidade de Saigon em que se viam diplomatas desesperados para deixar a embaixada dos Estados Unidos diante da aproximação dos vietcongues. “Isto não é Saigon. Fomos ao Afeganistão há 20 anos com uma missão em mente: lidar com as pessoas que nos atacaram em 11 de setembro, e essa missão foi bem-sucedida”, disse Blinken.

Para Brancoli, a rápida recuperação do poder pelos talibãs coloca em cheque os bilhões de dólares investidos pelos Estados Unidos no treinamento do exército afegão. “Os armamentos deixados pelos Estados Unidos vão cair nas mãos dos talibãs. Tem até uma curiosidade: eles tinham lá os Super Tucanos, que são aeronaves construídas no Brasil junto com os Estados Unidos. Agora o Talibã tem acesso a eles. Não sei se vão saber pilotar”, observa.

Nessa segunda-feira (16), o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden culpou a relutância do Exército afegão em lutar contra o Talibã. Ele avaliou que nunca existiria um bom momento para retirar as tropas do país.  “A verdade é: isso aconteceu mais rápido do que esperávamos. Então, o que aconteceu? Os líderes políticos do Afeganistão desistiram e fugiram do país. Os militares afegãos desistiram, às vezes sem tentar lutar”, acrescentou.

O que irá acontecer daqui em diante dependerá também dos desdobramentos de geopolítica, isto é, de como os talibãs irão dialogar com o restante do mundo. “Estamos vendo algumas mudanças importantes. O grupo que foi derrubado pelos Estados Unidos há 20 anos está agora virando governo e inclusive sendo reconhecido como governo por alguns países, como é o caso da China. Durante muito tempo, nas discussões sobre a geopolítica da região, se debatia o papel dos Estados Unidos, da Rússia, da Inglaterra. Pela primeira vez, precisamos entender qual será o papel chinês e qual vai ser a política chinesa para a região. Já está claro que os chineses vão negociar com os talibãs”, observa Brancoli.

LEIA MAIS

Número de mortos em terremoto no Haiti sobe para quase 2 mil

O número de mortes após o grande terremoto que atingiu a região sudoeste do Haiti no último fim de semana subiu para 1.941 nessa terça-feira (17). A busca por sobreviventes foi retomada após a passagem da tempestade tropical Grace, com os haitianos atingidos pela tragédia clamando por alimentos, abrigos e ajuda médica.

Os hospitais enfrentam enormes dificuldades para atender a todos os feridos, que chegaram a 9.915, com muitas pessoas ainda desaparecidas ou presas sob os escombros, informou o Serviço de Proteção Civil. 

“Não havia médicos suficientes, e agora ela está morta”, disse Lanette Nuel, sentada apaticamente ao lado do corpo de sua filha do lado de fora do principal hospital de Les Cayes, uma das cidades mais castigadas tanto pelo tremor quanto pela chuva e pelos fortes ventos da tempestade.

A mulher morta, de 26 anos, que era também mãe de duas crianças, foi atingida por escombros durante o terremoto de magnitude 7.2. “Nós chegamos ontem à tarde, ela morreu hoje de manhã. Eu não posso fazer nada”, disse a mãe.

O terremoto de sábado (14) provocou o desabamento de dezenas de milhares de prédios no país mais pobre das Américas, que ainda se recuperava de outro tremor de 11 anos atrás, que matou mais de 200 mil pessoas.

As iniciativas de resgate e auxílio estavam complicadas por causa do difícil acesso e do estado das estradas que ligam a capital Cabul à região sul, devido ao controle de pontos importantes por gangues. Inundações e deslizamentos na passagem da tempestade tropical Grace, que seguiu para a Jamaica, dificultaram ainda mais os esforços.

* Reportagem adicional de Herbert Villarraga e Robenson Sanon

LEIA MAIS